quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

A Importância da Broncoscopia na Rotina Clínica Veterinária

   Alguns pacientes começam com quadros de tosse, espirros, esforço respiratório, cansaço, presença de secreções nasais. Esses são alguns dos principais sinais clínicos que indicam a possibilidade de uma doença de trato respiratório. 

    Nessa situação é necessário encaminhar aos cuidados de um bom profissional clínico-veterinário.

   Nesses casos, alguns exames são realizados como exames hematológicos, radiografias,... E, em algumas situações a broncoscopia pode ajudar a complementar os achados clínicos e ainda na obtenção de amostras.

    A Broncoscopia é realizada em clínicas e hospitais veterinários com o auxílio de um equipamento denominado de broncoscopio. Com ele fazemos a inspeção da laringe, traquéia, cartilagem Carina e entrada de brônquios. 

   Dessa forma é possível avaliar em tempo real a qualidade da mucosa, aspecto da mucosa, presença de lesões e massas e nos casos de pacientes com colapso traqueal é possível classificar o grau do colapso avaliado, o(s) local(is) observados e a extensão.

    Os lavados traqueobrônquicos servem para avaliações laboratoriais de: citologia traqueo-brônquica, culturas bacterianas e fúngicas com antibiograma e avaliações de líquidos corporais.

Segue abaixo algumas imagens para melhor ilustrar.


Foto 1: Broncoscopio com 3,2mm de diâmetro.

Foto 2: Imagem de parte caudal (final) de traquéia. É possível observar a cartilagem Carina e a bifurcação com as entradas bronquiais direita e esquerda.

Foto 3: Imagem de laringe canina.

Foto 4: terço médio em traquéia de canino apresentando colapso traqueal de aproximadamente 30%.



Foto 5: Terço médio de traquéia em felino. Seta verde ao fundo mostra a presença de massa traqueal obstrutiva (aproximadamente 75%).


Foto 6: Lavado traqueo-brônquico de canino. Imagem mostra intensa celularidade e aspecto purulento.

Ficou em dúvidas!!! Entre em contato!!!
endoscovet@gmail.com        tel: (021)9-8218-2227

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

TRICOBENZOAR: AS FAMOSAS "BOLAS DE PÊLOS"

Tricobenzoar (ou bola de pêlo) retirado por endoscopia.


       Tricobenzoar é o nome chique, cientifico das famosas formações de bolas de pêlos. Demoram um tempo longo para se formarem; mas causam um grande problema. Além da inflamação, gastrite, muitos obstruem o trato gastrointestinal e enquanto não forem identificados e retirados só vão crescendo!

       O mais importante é saber que tanto cães como os gatos podem formar essas bolas de pêlos por inúmeras razões. Não somente os animais de raças de pêlos longos, mas também os de pêlos curtos porque muitos dos nossos amigos de quatro patas adoram lamber a água de chuveiros, banheiras, ralos,... além de se lamberem ou se coçaram. E, sendo assim, vão aos poucos ingerindo pêlos e cabelos.

       Como o crescimento é lento normalmente só demonstram sintomas semanas ou meses após começarem a sua formação no estômago. Esses sintomas na maioria das vezes é de vômito, inapetência, enjôo que vai evoluindo para halitose, gases, dores abdominais e o agravamento do quadro clínico.

       Nem sempre a ultrassonografia ou a radiografia vão conseguir diagnosticar porque os pêlos e cabelos não fazem uma imagem assim tão boas.

Fotos:
1, 2 e 3: imagens desses tricobenzoares em estômago; reparem o quanto que a mucosa do estômago fica hiperêmica (avermelhada)
4 e 5: Imagens dos tricobenzoares retirados com sucesso por endoscopia.

Ficou com dúvidas? entre em contato! 
endoscovet@gmail.com
tel: (021) 9-8218-2227
Bjs


FOTO 1

FOTO 2

FOTO 3

FOTO 4

FOTO 5

terça-feira, 20 de setembro de 2016

SNE - Sistema Nervoso Entérico. "O Segundo Cérebro Mora no Intestino"

FONTE: REVISTA SUPERINTERESSANTE (editora Abril; edição 362 - Julho/2016. Reportagem por: Alexandre de Santi e Silvia Lisboa)

Capa da revista Superinteressante, edição 362, Julho/2016

Parabéns à Superinteressante! Não recebi e não tenho interesse em receber nada por essa divulgação. Faço de livre vontade e alegria em divulgar essa matéria que acredito ser importante. 

       Andando pelas ruas, passei por uma banca de jornal e vi essa Revista (que já era fã!). Vale a pena, quem puder acessar, ler a matéria. Super fácil de ler e entender com escrita simples.
      Mesmo falando mais especificamente de seres humanos, a matéria retrata sobre estudos que já existem na Medicina Veterinária.
   Vale ressaltar alguns tópicos que foram abordados para nossa clínica Veterinária:
- É sabido que todo o sistema digestório dos vertebrados possui uma rede de neurônio que começam no esôfago, segue para o estômago, intestino e reto. Conhecido como Sistema Nervoso Entérico (SNE);
- Essa rede de neurônios são responsáveis por diversos neurotransmissores, que não agem somente no processo digestório para transformar alimentos em energia;
- Esses neurônios são influenciados diretamente pela microbiota (as bactérias boas). E, esse casamento, age diretamente em diversos setores do organismo; tais como:
          - Comportamento animal: depressão e ansiedade,
          - Obesidade animal,
          - Resposta ao uso de medicamentos anti-neoplasicos,
          - Sono,
        - E, no sistema Imunológico!!! É através da manutenção das boas bactérias (microbiota) que se mantêm o nível imunológico de forma saudável podendo auxiliar os pacientes acometidos com as mais diversas doenças a responder às terapias propostas.

Quem puder, vale a pena buscar e ler a matéria na íntegra.

Valorize a alimentação correta dos seus animais!!
Forneça alimentos saudáveis!! O que não é saudável para nós humanos; é menos saudável ainda para eles!!

Ilustração referente à matéria sobre o SNE, páginas 24-25. Revista Superinteressante, edição 362, Julho/2016

Cuide desse SNE, a resposta para distúrbios de comportamento (ansiedade, depressão), para o tratamento da obesidade, para melhoria imunológica, para otimizar terapias anti-neolpásicas pode estar dentro da barriga do seu pet.

Qualquer dúvida, entre em contato: (21)98218-2227 endoscovet@gmail.com

terça-feira, 16 de agosto de 2016

I Congresso Internacional de Endoscopia y Cirurgía Mínimamente Invasiva Veterinária - SLEV 2016

Rio, 16/08/2016

Queridos amigos, colegas de trabalho, curiosos, clientes.
Do dia 21/08 até 28/08 vou participar do I Congresso Internacional de Endoscopia Veterinária Latino-Americana.

Espero voltar com bastante conhecimentos novos e atualizados para melhor servir. Vou aproveitar ao máximo e nos mínimos detalhes.

Agradeço o apoio.

Beijo em todos!

PS: Continuarei respondendo os e-mails
       endoscovet@gmail.com      ou      vet-deb@hotmail.com



quinta-feira, 10 de março de 2016

DIARRÉIA CRÔNICA! Você sabe qual exame endoscópico pedir?

               Pois é, parece uma pergunta simples e boba né? Mas acredito que alguns colegas, clientes e conhecidos irão achar que sabem a resposta. Porque irão pensar da seguinte forma: "se o sintoma mais predominante é a diarreia crônica e não responsiva aos tratamentos? Oras... Então vou requisitar uma Colonoscopia!!!"  MAS NÃO !!!! ESSA NÃO É A RESPOSTA CERTA!! 

E qual seria a resposta correta? Depende do tipo de diarreia que estamos falando!

Existe 3 tipos: distúrbios fecais de intestino delgado; distúrbios fecais de intestino grosso e as mistas.

Segue abaixo uma tabela que costumo usar para melhor demonstrar os diferentes sintomas de cada uma; e um quadro ilustrativo sobre a qualidade das fezes:


           De uma maneira geral; quando vemos um paciente defecar grande volume de fezes, amolecidas à liquefeitas; coloração alterada; com urgência em defecar (não consegue segurar); e que em situações crônicas, levam ao emagrecimento animal (mas não necessariamente!); estamos então lidando com um quadro de diarreia de intestino delgado. Nesse tipo de situação, o exame mais propício é a endoscopia digestiva alta também conhecida como gastroduodenoscopia. Pois o intestino delgado é melhor acessado através do esfíncter Piloro (região do Antro no estômago).

                 Porém, existem disfunções de intestino grosso; aonde vemos que o paciente possui esforço e dor ao defecar (tenesmo e disquezia); além disso defeca pequenas porções. A frequência varia com a patologia; as vezes são várias  pequenas porções ao dia e às vezes somente uma vez ao dia. Boa parte dos pacientes apresentam junto sangue vivo nas fezes. Nesses casos, é raro a presença de emagrecimento. E o exame requerido é o da endoscopia digestiva baixa ou colonoscopia.

          E, existe ainda e não raros, os casos mistos aonde o paciente pode sofrendo distúrbios em ambas porções intestinais (delgado e grosso); dessa forma os sintomas se misturam. E a única solução é pedir em conjunto a gastroduodenoscopia com a colonoscopia.

Segue abaixo algumas imagens de alguns distúrbios que podemos ver na duodenoscopia e de colonoscopia:

1) Duodenoscopia:
Mucosa levemente hiperêmica, mas com elasticidade normal e aspecto próximo à normalidade***

Imagem endoscópica de linfoma em duodeno


Imagem endoscópica de duodeno com a mucosa granulada; também conhecida como White Spot. Comum em casos de Linfangiectasia ou Enterites Espoliativas Perdedoras de Proteínas (EEPP)

Imagem endoscópica de uma das papilas duodenais (apontadas com a seta).


*** Não consegui achar nos meus arquivos uma imagem boa de mucosa duodenal normal para usar como parâmetro. A primeira imagem, aonde vemos hiperemia e um pouco de edema é a mais próxima que tenho e que sirva para ser colocado no blog. Sorry! Fica para a próxima.



2) Colonoscopia:

Imagem endoscópica de mucosa de Cólon normal: rosácea pálida com visualização dos vasos periféricos


Imagem da ampola ileal (acima) e da entrada do ceco (abaixo).


Imagem endoscópica de uma fibrose acarretando uma estenose em mucosa de Cólon. O diagnóstico histopatológico foi de Carcinoma

Imagem endoscópica de processo hemorrágico em cólon. Diversos focos ulcerativos. O diagnóstico histopatológico foi compatível Síndrome do Intestino Irritável em grau severo.


Surgiu alguma dúvida? Deseja entrar em contato?:
9-8218-2227 (sms e whatsapp)
endoscovet@gmail.com
fb.com/endoscovet

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

LIONEL e seu osso de costela


Esse é o Lionel, um charmosos Bulldog Inglês que resolveu comer um delicioso osso de costela bovina.
Só que ele decidiu engolir inteiro!!! Um osso de aproximadamente 11 cm X 4 cm.
Mas agora já está tudo bem. Tudo resolvido! Osso retirado por endoscopia sem a necessidade de cirurgia ou pós-operatório.
Tudo de bom para você Lionel e para sua família também!

sábado, 19 de dezembro de 2015

ESTRELA - meu presente de Natal (Vencendo o LINFOMA GÁSTRICO)

ESTRELA: meu presente de Natal !
É muito bom poder ter o retorno dos clientes /pacientes. Quando esse retorna é uma história de sucesso então chega a ser emocionante e incrível!
Obrigada Camila por compartilhar comigo essa história.
A Estrelinha é uma SRD da Dra. Camila Friedman e eu a conheci em 2013 para uma endoscopia digestiva alta. Ela tinha muito vômito. Na época tinha aproximadamente 03 anos de idade.
Durante a endoscopia foi visualizado diversas massas de aspecto endurecido, ulceradas e hemorrágicas desde Corpo Gástrico a Antro. O laudo histopatológico foi compatível com LINFOMA GÁSTRICO. Tão novinha....
Rapidamente ela começou a quimioterapia e... Tá livre do Linfoma há mais de 02 anos!!!
As fotos abaixo mostram tanto as imagens endoscopicas como as fotos atuais dela; linda. E brincando muito com seu irmão!!
Parabéns Estrelinha!! Que a sua vida seja sempre alegre como você é!!!

Massa de aspecto Tumoral próximo ao Piloro








Massas ulceradas e hemorrágicas de aspecto tumoral em Antro